Porque é que a Igreja de Scientology é considerada uma pioneira em relação às leis da Liberdade de Informação?

PORQUE É QUE A IGREJA DE SCIENTOLOGY É
CONSIDERADA UMA PIONEIRA EM RELAÇÃO ÀS LEIS DA
LIBERDADE DE INFORMAÇÃO?

Na década de 70, a Igreja de Scientology estabeleceu–se como um líder na promoção e utilização do Ato da Liberdade de Informação (FOIA da sigla em inglês Freedom of Information Act) para proteger não só os direitos dos Scientologists, mas também os de todos os cidadãos. A Igreja exerce uma ampla campanha de educação pública para garantir que os cidadãos sabiam como usar o FOIA para expor irregularidades e garantir a transparência no governo. Para esses mesmos fins, a Igreja de Scientology litigou muitos casos do FOIA nos primeiros anos da lei, que estabelece precedentes fundamentais, que incluem a inversão da obrigação para o Governo para provar que os documentos estão isentos do FOIA e estabelece que órgãos públicos tenham a obrigação de especificar quais são os documentos que estão a ser retidos e quais as razões.

A Igreja de Scientology o os Scientologists individuais têm sido defensores incansáveis da liberdade de informação e desempenharam um papel fundamental em ajudar a aprovar a legislação ao acesso do público por todo o mundo. Ao responsabilizar os governos, a Igreja de Scientology usou leis de Liberdade de Informação para expor irregularidades oficiais que põem em perigo os direitos de todos.

Em reconhecimento aos esforços da Igreja, Quinlan J. Shea Jr., Diretor do Escritório do Departamento de Justiça de Privacidade e Recursos da Informação dos EUA sob o comando dos Presidentes Ford e Carter, creditou a Igreja de Scientology, juntamente com a União Civil Americana de Liberdades e da Sociedade de Jornalistas Profissionais, de ter “procurado mais luz sobre o governo. Eles e outros, emitiram publicações sobre como usar o FOIA, litigaram nos tribunais e testemunharam perante numerosas audiências no Congresso pedindo mais transparência.”

Os Scientologists tampouco têm limitado as suas energias nessas questões nos Estados Unidos. Quando a lei da Liberdade de Informação foi aprovada em França (1978), Canadá (1982), Austrália (1982), Nova Zelândia (1983), Itália (1991) e Bélgica (1991), os membros da Igreja desempenharam um papel decisivo para fazer valer essas leis.