Quem foi L. Ron Hubbard?

QUEM FOI L. RON HUBBARD?

L. Ron Hubbard foi um escritor, filósofo, humanitário e Fundador da religião de Scientology. Ele nasceu no dia 13 de março de 1911, em Tilden, Nebraska, e faleceu no dia 24 de janeiro de 1986.

A sua longa e aventureira estrada para a descoberta começou numa idade precoce. Sob a tutela da mãe, uma mulher com uma educação esmerada, ele começou a ler muito precocemente: Shakespeare, filosofia grega e uma grande quantidade de clássicos posteriores. No entanto, os seus primeiros anos estavam muito longe de serem livrescos e tendo–se mudado com a família para Helena, em Montana, ele em breve domava cavalos selvagens com os melhores vaqueiros locais.

Como um jovem curioso, no que era um Oeste Americano ainda duro e turbulento, ele em breve se tornou amigo dos Índios Blackfoot aprendendo os conhecimentos e lendas tribais de um curandeiro local e alcançando, assim, o estatuto muito raro de Irmão de Sangue. Quando tinha treze anos, ele voltou a distinguir–se como o Escuteiro Águia mais jovem da nação e depois representou os escuteiros americanos perante o Presidente dos Estados Unidos da altura, Calvin Coolidge.

No entanto, o que mais distinguiu o jovem L. Ron Hubbard foi uma curiosidade insaciável unida a um desejo inato de melhorar a condição humana.

Ao reconhecer exatamente estas qualidades, nada menos do que um estudante de Sigmund Freud e o único oficial da Marinha Americana a estudar psicanálise em Viena, o Comandante Joseph C. Thompson apresentou ao jovem L. Ron Hubbard a teoria freudiana.

Embora sinceramente fascinado com as possibilidades de investigar a mente humana, Ron ficou com muitas perguntas por responder.

Quando o seu pai foi enviado para o Pacífico Sul como comandante da Marinha dos Estados Unidos, o Ron lançou–se na primeira das suas célebres viagens pela Ásia. Aos 19 anos de idade ele tinha viajado mais de 250.000 quilómetros e atravessou grande parte da China e da Índia. Durante o percurso, ele tornou–se um dos poucos aventureiros ocidentais a entrar nas lamaserias tibetanas proibidas, nas colinas ocidentais da China e estudou com nada mais, nada menos do que o último descendente dos magos reais da corte de Kublai Khan. Contudo, apesar de todas as maravilhas que presenciou, ele não pôde deixar de concluir que a lendária sabedoria do Oriente nada fazia para aliviar o sofrimento e pobreza destas terras sobrepovoadas e subdesenvolvidas.

Regressando aos Estados Unidos em 1929, Ron retomou a sua educação formal e inscreveu–se na Universidade de George Washington no ano seguinte. Ali, ele estudou Matemática, Engenharia e fez parte da primeira classe nos Estados Unidos sobre fenómenos atómicos e moleculares. Embora estas não fossem necessariamente as suas disciplinas de opção, estas foram as disciplinas que lhe providenciaram as ferramentas de investigação com as quais procurar respostas para as questões, sobre a mente humana e a vida, que ainda estavam por resolver. Na verdade, L. Ron Hubbard tornou–se a primeira pessoa a levar uma metodologia científica às antigas questões da existência.

Para completar os seus dias de universidade, ele também se tornou num dos principais pioneiros da aviação americana e uma pessoa que causou uma grande sensação como piloto de acrobacias em todo o oeste central do país. No entanto, especialmente tendo em conta o que era considerado uma “ciência da mente” nos laboratórios de psicologia da universidade, ele apenas pode concluir que a escola ocidental não possuía nenhumas respostas.

Como ele escreveu mais tarde:

“Era muito óbvio que estava a lidar com e a viver numa cultura que sabia menos sobre a mente do que a tribo mais primitiva com que alguma vez entrei em contacto. Sabendo também que as pessoas no Oriente não conseguiram chegar tão fundo e de uma forma tão previsível aos mistérios da mente como eu tinha sido levado a esperar, eu soube que teria de levar a cabo muita investigação.”

Para financiar a pesquisa durante o que era então a Grande Depressão, o Ron lançou–se na primeira fase de uma carreira literária que durou cinquenta anos. Em meados da década de 30, ele estava entre os autores mais lidos no apogeu lendário da pulp fiction americana. Ele também escreveu vários guiões memoráveis na Idade de Ouro de Hollywood, e ainda é lembrado pelo seu trabalho em vários sucessos de bilheteira e num filme clássico de Clark Gable.

Mas sem nunca perder de vista a sua busca primária, ele continuou com a sua linha de investigação principal, com expedições a terras primitivas e longínquas. Ele acabou por estudar 21 raças e culturas enquanto procurava por um “denominador comum da existência” subjacente, sobre o qual construir uma filosofia funcional para o melhoramento do Homem. No início de 1938, ele isolou esse denominador comum como sendo Sobreviver!

Não era uma ideia nova de que a sobrevivência era a motivação chave em todas as coisas vivas. Que a vida estava fundamentalmente e apenas a tentar sobreviver isto era completamente novo. O Ron originalmente apresentou esta descoberta num manuscrito intitulado Excalibur. Embora ele finalmente escolhesse não publicar o trabalho, porque faltava um método eficaz para o melhoramento, aqui, no entanto, estava o critério filosófico com o qual se alinha todas as novas pesquisas.

Em reconhecimento dos seus feitos de exploração ao longo destes anos, 1940 foi o ano em que o Ron foi admitido no afamado Clube dos Exploradores, onde ele se encontrava entre os principais aventureiros do seu tempo. Consequentemente, todas as expedições que se seguiram foram levadas a cabo sob a cobiçada bandeira do Clube dos Exploradores imediatamente numa viagem em 1940 ao Alasca, onde ele não só conduziu estudos muito importantes sobre as tribos dos Índios da Costa do Pacífico, mas também foi o primeiro a utilizar um protótipo de sistema de navegação que veio a ser empregado em todas as rotas marítimas e aéreas até às últimas décadas do século XX.

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, o Ron entrou na Marinha dos Estados Unidos como tenente. Ele serviu inicialmente como um alto oficial do serviço secreto estado–unidense, na Austrália. Após o seu regresso aos Estados Unidos (como a primeira baixa americana dos combates no Pacífico Sul) ele continuou a prestar serviço com distinção tanto no Pacífico Norte como no Atlântico comandando corvetas antissubmarinas e treinando tripulações para desembarques anfíbios. Embora altamente condecorado por deveres sob o fogo, ele estava profundamente entristecido com a consequente carnificina e desumanidade. Assim, ele resolveu redobrar os seus esforços para melhorar as condições humanas. Com esse fim, ele continuou a sua pesquisa mesmo durante os anos mais sombrios de 1943 e 1944.

Tendo ficado parcialmente cego e aleijado devido a ferimentos sofridos em combate, o Tenente L. Ron Hubbard foi diagnosticado como estando permanentemente incapacitado em 1945 e foi hospitalizado em Oakland, Califórnia. No entanto, por esta altura, ele tinha desenvolvido a primeira abordagem funcional para aliviar o trauma. Ele testou estes procedimentos em antigos prisioneiros de guerra que, apesar do tratamento médico intensivo, não tinham conseguido recuperar a sua saúde. Com a utilização das técnicas iniciais de Dianética para remover “bloqueios mentais” que inibiam a resposta aos medicamentos, todos aqueles que o Ron tratou recuperaram rápida e marcadamente sob tratamento médico standard. Ao utilizar os mesmos procedimentos, ele também recuperou a sua saúde para grande espanto dos examinadores médicos.

Com a restauração da paz, Ron começou a fazer testes adicionais à funcionalidade de Dianética em centenas de pessoas de todos os estratos sociais. Após um aperfeiçoamento contínuo nesse “laboratório do mundo real”, ele preparou um trabalho que detalhava tanto a teoria subjacente como as técnicas. Esse trabalho era Dianética: A Tese Original. Foram inicialmente distribuídos exemplares do manuscrito em círculos médicos e científicos. No entanto, rapidamente, esses exemplares estavam a ser avidamente copiados e passados a outras pessoas, até que a Tese Original do Ron estava literalmente a circular por todo o mundo.

Para dar satisfação a uma autêntica inundação de perguntas que vinham dos leitores, pediu–se a Ron para escrever um texto definitivo sobre o tema. Em resposta, ele começou a trabalhar em Dianética: O Poder da Mente sobre o Corpo, o primeiro livro abrangente alguma vez escrito sobre a mente humana e a vida. Lançado a 9 de maio de 1950, a obra chegou de imediato ao topo da lista de best–sellers do New York Times e fez surgir cerca de 750 grupos de Dianética de uma costa à outra. Para além disso, este livro inspirou a formação de Fundações de Dianética em seis cidades americanas para ajudar a facilitar os avanços de Ron neste tema.

Esse avanço foi rápido, metódico e no mínimo tão revelador como aquilo que o tinha precedido. Porque, continuando a partir do capítulo final de Dianética, onde o Ron escreveu sobre planos para continuar com “mais pesquisas da força vital”, ele depressa deu por si a investigar provas crescentes de que esta força vital era intrinsecamente espiritual e estendia–se muito para além de qualquer período de uma vida. Ou seja, como ele o menciou:

“À medida que se desenvolve, a Dianética parece–se cada vez mais potencialmente capaz, por fim, de contactar a muitas vezes postulada mas nunca completamente percepcionada, medida ou experimentada alma humana.”

A declaração provou ser completamente precisa, e com investigação posterior nos finais de 1951 e em 1952, o Ron realmente contactou, mediu e providenciou formas de fazer experiências com a alma humana. Assim nasceu a religião de Scientology como sendo: “O estudo e manejo do espírito em relação a si próprio, universos e outras formas de vida.”

Durante o final da década de 1950, o Ron continuou a entrar cada vez mais profundamente na natureza e potencial do espírito, ao mesmo tempo que documentava as descobertas em conferências, publicações técnicas, artigos e livros. À medida que a comunidade de Scientologists aumentava de forma proporcional a isto, abriam–se Igrejas de Scientology nos Estados Unidos, Europa, Austrália e África do Sul. Consequentemente, ele dirigiu o crescimento mundial de Scientology, e trabalhou para codificar uma rota precisa e standard ao longo da qual os indivíduos pudessem elevar–se a estados de consciência mais elevados.

No entanto, como Scientology abrange a totalidade da vida, afinal, não existe nenhum aspecto da existência humana que o trabalho subsequente do Ron não aborde. Enquanto residiu na Grã–Bretanha e depois a bordo de uma embarcação de pesquisa no Mediterrâneo, Atlântico e Mar das Caraíbas, antes de regressar aos Estados Unidos, ele retirou, do corpo principal de Scientology, procedimentos para desenvolver um conjunto de tecnologias para o melhoramento social. Mais precisamente:

  • Os procedimentos de reabilitação de drogas de L. Ron Hubbard são atualmente empregados em cerca de 50 nações. Eles provaram ser cinco vezes mais eficazes do que qualquer programa de semelhante propósito.

  • O seu programa de reforma criminal está a funcionar atualmente em mais de 2000 prisões e nas instituições penais internacionais e produziu uma redução de 80 por cento na reincidência.

  • A·sua·tecnologia·de·aprendizagem·e·alfabetização·é·entregue·em·mais·do·que·70·países.

  • O código moral e guia para uma vida melhor universalmente aclamado de L. Ron Hubbard, O Caminho para a Felicidade, é não–religioso e apela unicamente ao senso comum. Tem provado estatisticamente ser eficaz na reversão do declínio das tendências morais por todas as comunidades, com uns 100 milhões de exemplares distribuídos em mais de 90 línguas em mais de 150 nações.

Mas claro que a história pessoal de L. Ron Hubbard pode apenas terminar com a conclusão da sua linha de pesquisa principal. Antes da sua morte em 1986, ele codificou por completo todos os materiais de Dianética e Scientology para serem aplicados em todos os níveis da sociedade e até aos níveis espirituais mais elevados.

Hoje, esses materiais incluem dezenas de milhões de palavras publicadas, conferências gravadas e filmes. Com mais de 250 milhões de exemplares das suas obras em circulação, L. Ron Hubbard inspirou um forte movimento de milhões e que abrange todos os continentes.

O maior testemunho da eficácia do seu legado são os milagres da sua tecnologia, e os seus milhões de amigos em todo o mundo que fazem avançar o seu legado. Ambos continuam a crescer em número a cada dia que passa e, para além disto, confirmam o que o Ron declarou no seu artigo: “A Minha Filosofia”:

“Gosto de ajudar as pessoas e considero como o meu maior prazer na vida ver uma pessoa libertar–se das sombras que obscurecem os seus dias.

“Estas sombras parecem–lhe tão densas e pesam tanto sobre ela que, quando descobre que são apenas sombras e pode ver através delas, caminhar por elas e encontrar–se de novo ao sol, fica imensamente deliciada. E eu acho que fico tão deliciado como ela.”