Congresso do Oeste

CONGRESSO DO OESTE

Os Scientologists do oeste dos Estados Unidos clamavam por ter um Congresso nas suas instalações, portanto L. Ron Hubbard convocou um “Congresso do Oeste” em Phoenix, Arizona. O que particularmente diferenciou este Congresso foi como ele transmitiu os dados, e como relatado no Jornal de Scientology, “a apresentação de material técnico foi mantida a um mínimo absoluto, com L. Ron Hubbard a apresentar a maior parte da técnica importante e de procedimento na forma de processamento de grupo.” Sendo assim, ele proporcionou aos delegados um modelo da forma como deveriam processar as pessoas nas suas próprias comunidades, concentrando-se no Procedimento Operativo Standard 8-C (SOP 8-C) e nas listas de Auto-Análise. Aqui também o Sr. Hubbard introduziu o novo E-Metro audio (que posteriormente foi conhecido como “E-Metro Bip”), o E-Metro mais avançado até a data, que não só incluía um detector que podia registar pontos de dor no ser humano, mas que proporcionava os meios para demonstrar que um ser pode criar uma corrente de energia em outro ser. Em suma, aqui estava um Congresso cheio de dados técnicos, e todos com um propósito em mente: expandir as fileiras dos Scientologists treinados que levariam estas descobertas para um público mais amplo e gerando um surgimento saudável de novos grupos do campo.

Leia Mais

adquira
270€
Quantidade
Língua
Envio Gratuito Atualmente elegível para envio gratuito.
Em Stock
Envio dentro de 24 horas
Formato:
CD
Conferências:
20

MAIS SOBRE CONGRESSO DO OESTE

O Homem está finalmente no bom caminho. Porque todos os males do Homem vêm do esforço do Homem para negar liberdade ao Homem. A sua falta de cultura é mais aparente onde a escravatura está mais enraizada.

Onde há homens que são livres, eles podem fazer muitas coisas. O trabalho torna-se um prazer. O manejo do próprio esforço torna-se uma atividade muito desejável. Constroem-se coisas, o mundo torna-se mais bonito, o Homem é capaz de se ocupar da vida como um jogo em vez de uma escravidão.

E assim obtemos outra cultura. – L. Ron Hubbard

O ano de 1953 estava a chegar ao fim e o Primeiro Congresso Internacional de Dianeticistas e Scientologists em Filadélfia tinha sido tão bem-sucedido – “simplesmente coisa de outro mundo”, segundo um jornal de Scientology – que Scientologists no oeste dos Estados Unidos estavam clamando por um Congresso nas suas próprias áreas. Com Los Angeles, Califórnia, Phoenix e Arizona, os principais concorrentes, L. Ron Hubbard estabeleceu-se em Phoenix, localizado no estado natal de Scientology e local da primeira Associação Hubbard de Scientologists, com dois anos de existência.

Foi assim que a 28 de Dezembro de 1953, no Little Theater da cidade, o Sr. Hubbard convocou um Congresso como nenhum outro antes ou depois. Pois embora o Congresso do Oeste tenha compartilhado de todas as características que logo se tornariam tradicionais – incluindo o seu anúncio de novas descobertas e uma festa de fim de Congresso – o que particularmente diferenciou este Congresso foi como ele transmitiu os dados. Especificamente, e como relatado no Jornal de Scientology, “a apresentação de material técnico foi mantida a um mínimo absoluto, com L. Ron Hubbard a apresentar a maior parte da técnica importante e de procedimento na forma de processamento de grupo.”

Agora, do ponto de vista puramente de audição, esses processos mostraram-se eficazes de forma geral, com várias pessoas no Congresso a dissipar somáticos crónicos e outras a chegar a Theta Clear. Mas havia uma razão maior por quê este Little Theater marcou o ponto onde um boom começou. Através de processamento de grupo, o Sr. Hubbard forneceu um modelo para os delegados fazer processamento de grupo em suas próprias comunidades, com a concentração de Procedimento de Operação Standard 8-C (SOP 8-C) e listas de Auto-Análise. E para tornar a tarefa deles ainda mais fácil, antes do Congresso ele havia especialmente preparado uma gravação de 15 minutos de Processamento de Grupo que foi dada a cada delegado, habilitando-os a iniciarem imediatamente ao retornar para casa.

Em seguida, houve a pirotecnia, incluindo uma dramática demonstração de como lidar com pontos-âncora. Com seu corpo a permanecer exatamente no mesmo ponto diante do microfone, ele continuou a falar enquanto mudava seus pontos-âncora para localizações exatas dentro e fora do Little Theater – uma demonstração de que não requeria nenhuma mudança no uso das suas cordas vocais. No entanto, produziu uma mudança imediata na forma como que a sua voz transmitia ao público, ilustrando assim um dado fundamental aplicável não só para o Processamento de Grupo, mas para a vida:

“Ouvir não é tanto um problema de onda sonora. Este é um problema na beingness. E vocês podem ser ouvidos em tanto espaço quanto aquele em que estejam dispostos a estar e esse é único o espaço em que podem ser ouvidos. Percebem?”

Aqui também o Sr. Hubbard introduziu o novo "E-Metro audio" (que posteriormente foi conhecido como “E-Metro Bip”), o E-Metro mais avançado até a data, que não só incluía um detector que podia registar pontos de dor no ser humano, mas que proporcionava os meios para demonstrar que um ser pode criar uma corrente de energia em outro ser. No entanto, ele tinha descoberto uma utilização para esse E-Metro da qual nem mesmo o seu fabricante estava ciente. Aqui, na verdade, estava um meio para demonstrar que um ser pode, à vontade, criar uma corrente de energia em outro ser:

“Por isso, eu peguei no seu próprio E-Metro e mostrei-lhe onde estavam todos os pontos mortos na sua face. Encontramos um que estava bastante morto e eu recostei-me na cadeira e fiz com que este se ativasse. E este ativou-se e o E-Metro disse: ‘Pauuuu.’

Em suma, aqui estava um Congresso cheio de dados técnicos, e todos com um propósito em mente: expandir as fileiras dos Scientologists treinados que levariam estas descobertas para um público mais amplo. E isso é exatamente o que ocorreu: para efeito dramático. Com os resultados a soar alto e claro pelos Estados Unidos, as palestras e sessões de Processamento de Grupo foram tocadas em congressos realizados por outras pessoas, gerando ganho de caso imediato e gerando um surgimento saudável de novos grupos do campo. Na verdade, o Congresso do Oeste não apenas previu o 3.º Curso Clínico Avançado Americano, como também inspirou o sucesso fenomenal do Congresso de Processos do Universo, realizado pelo Sr. Hubbard no mesmo local, diante de muito mais de 200 Scientologists de todo os Estados Unidos e do estrangeiro.

Assim, quando terminou o ano de 1953, tudo estava definido para o avanço histórico de 1954 e o anúncio de L. Ron Hubbard dos processos de produção, em massa, um estado de beingness já considerado possível, quando muito, por apenas uns poucos seletos.