Causa-Distância-Efeito

CAUSA-DISTÂNCIA-EFEITO
A Basics Course in Scientology

Para treinar grandes quantidades de auditores, L. Ron Hubbard abriu um Colégio Profissional Hubbard, que entregava agora o seu primeiro Curso Profissional. E quando ele subiu ao pódio para a primeira conferência o estado de espírito era vivo com a antecipação. O Sr. Hubbard não desperdiçou tempo ao transmitir uma descoberta alarmante: a incapacidades para recordar é causada pela escassez de passado. Sendo assim, o incrível dado: ninguém nos passados cem mil anos era capaz de recordar à vontade nada na linha do tempo completa. A solução encontra-se na Linha Direta, onde o auditor recupera a capacidade do preclear para estar em Causa. Aqui, então, está o papel integral que Linha Direta tem nos seis processos mais básicos de Scientology: Comunicação de Duas-vias, Linha Direta Elementar, Procedimento de Abertura de 8-C, Procedimento de Abertura por Duplicação, Remédio de Havingness e Localizar Pontos no Espaço. Com L. Ron Hubbard a exigir a aplicação dos estudantes, os auditores prepararam-se para levar os milagres de Scientology à comunidade de Phoenix e, na verdade, em breve havia milagres em abundância. Contudo o maior milagre dizia respeito aos auditores. Pois como o Sr. Hubbard declarou ao inaugurar aquela escola de treino: “O auditor, ao ser uniformemente bem-sucedido com os casos, torna-se melhor em capacidade e saúde do que o melhor preclear em que ele pratique. E este é um facto de processamento.”

Leia Mais

adquira
130€
Quantidade
Língua
Envio Gratuito Atualmente elegível para envio gratuito.
Em Stock
Envio dentro de 24 horas
Formato:
CD
Conferências:
12

MAIS SOBRE CAUSA-DISTÂNCIA-EFEITO

A única coisa que no passado impediu alguns auditores em dar seguimento a uma grande ajuda à humanidade tem sido o fator treino. De facto, é claramente demonstrável para ele próprio, que pode, através da sua própria destreza no processamento mudar à sua vontade o estado dos preclears para melhor, e o problema do próprio caso do auditor é também resolvido. – L. Ron Hubbard

Estávamos no Outono de 1954. A sede internacional de Scientology em Phoenix, Arizona, estava a fervilhar de atividade. No espaço de alguns meses, L. Ron Hubbard tinha entregado o 8.º Curso Clínico Avançado Americano, lançado uma série de palestras públicas semanais e sessões de Processamento de Grupo e incorporado uma nova Fundação Hubbard de Pesquisa de Dianética. E como se isso não fosse suficiente, ele estava simultaneamente a escrever os capítulos finais de um novo livro, Dianética 55!

Contudo, acima de tudo, as pesquisas do Sr. Hubbard durante o ano anterior tinham sido dirigidas para os auditores – especificamente, para o treino de auditores. Para esse fim, ele abriu um Colégio Profissional Hubbard em Phoenix, que estava agora a entregar o seu primeiro Curso Profissional, destinado a incutir nos estudantes completa compreensão e domínio dos seis processos mais básicos de Scientology.

Foi chamado Curso de Certificação de Phoenix. Decorrendo durante seis dias por semana, o curso incluía demonstrações dos Instrutores e co-audição entre estudantes. Assim, a 16 de Novembro de 1954, quando L. Ron Hubbard subiu ao palco para entregar a primeira palestra, a emoção predominante era de entusiasmo e antecipação.

Rapidamente os estudantes ficaram completamente fascinados, pois o Sr. Hubbard não desperdiçou tempo ao transmitir uma nova descoberta impressionante: uma incapacidade para recordar é causada por escassez do passado.

Daí, o dado surpreendente: ninguém nos passados cem mil anos era capaz de recordar à vontade nada na linha do tempo completa.

A solução está em Linha Direta. Porque Linha Direta, ele explicou, não é só uma tentativa de fazer com que alguém se lembre:

“Vocês devem compreender que a Linha Direta Elementar não significa lembrar incidentes reais. Isso, provavelmente, é um choque para vocês.

“A Linha Direta foi chamada ‘Linha Direta’ porque o auditor está a esticar uma linha reta entre Causa e Efeito.”

Porque, como ele explicou, o auditor está a recuperar a capacidade do preclear para estar em Causa.

Era um dado crucial. E o Sr. Hubbard continuou detalhando não só o papel integral que a Linha Direta desempenhava nos Seis Processos Básicos, mas avanços fundamentais nas técnicas de audição:

  • Comunicação de Duas-vias – uma parte essencial de cada passo de um processo que um auditor faz, e como mantê-la em qualquer circunstância;
  • A Fórmula da Comunicação – como a Linha Direta se aplica à parte da Distância do ciclo de comunicação;
  • Comunicação com um Grupo – como colocar pontos-âncora para nos dirigirmos a um grupo e com isso estabelecermos comunicação com ele;
  • Procedimento de Abertura de 8-C – desbloqueia o banco reativo localizando o “quando” e “onde” do tempo presente;
  • Procedimento de Abertura por Duplicação – como desfaz a consideração de que “não pode acontecer outra vez”;
  • Remédio de Havingness – a sua teoria subjacente e mecânica no que diz respeito à Escala de Saber até Mistério;
  • Localizar Pontos no Espaço – como isso torna um preclear mais capaz de localizar coisas e aumenta a sua capacidade.

Para além disso, como parte de tudo o que ele ensinou àqueles auditores, o Sr. Hubbard exigiu a sua aplicação do conhecimento e das capacidades que eles agora tinham adquirido. Para esse fim, eles organizaram-se como ministros para visitar hospitais, prisões e os lares das pessoas para levar os milagres de Scientology à comunidade local. Chamou-se “Operação Phoenix” e em breve havia milagres em abundância – desde uma mulher abandonada pelos médicos que recuperou de uma hemorragia severa, até um menino de quatro anos com uma operação agendada para tratar de um braço atrofiado, cujo membro estava de tal forma recuperado após cinco horas de audição que a operação foi cancelada.

Mas apesar de todos os resultados surpreendentes que estes auditores agora produziram nos outros, o maior milagre respeitava ao efeito resultante neles próprios. Porque, como L. Ron Hubbard tinha anunciado quando inaugurou a escola de treino:

“O auditor de agora pode estar seguro relativamente ao seu próprio caso. Porque nós descobrimos que para se estar bem, é um facto demonstrável que devemos ser capazes de fazer com que os outros fiquem bem. Não é suficiente apenas nós próprios estarmos bem e felizes. As confusões e os transtornos da vida são tais que atrasam o caso de qualquer um. O auditor, bem-sucedido de forma regular com os casos, torna-se melhor em capacidade e saúde do que o melhor preclear no qual ele pratique. E este é um facto de processamento.”

Aqui está então o que representa um marco histórico no caminho para maior certeza de auditor.