AÇÕES DA COMUNIDADE

PROMOVER A LITERACIA E EDUCAÇÃO
ATRAVÉS DO GLOBO

A rede de Escolástica Aplicada de professores, centros de explicadores e escolas expandiram‑se para melhorar a literacia e educação não só nas suas áreas mas também para além destas. Desde seminários e workshops até programas abrangentes permanentes, equipas de professores levam a Tecnologia de Estudo a populações desfavorecidas.

Um projeto destes começou no Haiti quando uma educadora da Academia de Clearwater na Florida se voluntariou no Haiti depois do terramoto de 2010. Ela deu uma palestra sobre a Tecnologia de Estudo a cerca de 400 pais e alunos, e como resultado o diretor de um orfanato e escola no Haiti veio a Clearwater para se treinar na Tecnologia de Estudo. A Academia de Clearwater angariou os fundos para transformar a escola feita de lona, cordel e paus num edifício de tijolo com um telhado sólido, e uma nova escola surge com todos os estudantes a aprender a Tecnologia de Estudo.

NA ÁFRICA DO SUL FORAM ENTREGUES CONFERÊNCIAS, CURSOS E WORKSHOPS SOBRE A TECNOLOGIA DE ESTUDO A MAIS DE 20.000 PROFESSORES.

Noutro lado oposto, professores da Escolástica Aplicada dos Reino Unido entregaram seminários da Tecnologia de Estudo na Ucrânia em 2008. Para ir ao encontro da procura gerada, os centros de aprendizagem começaram e hoje centros permanentes dão cerca de 300 palestras por ano a professores e alunos em escolas por toda a nação. As palestras foram adoptadas como parte do currículo para as escolas do estado no Distrito de Babushkin, e os parceiros da Escolástica Aplicada nos projetos educacionais com o Ministério dos Assuntos Juvenis e Familiares numa das maiores cidades da Ucrânia.

Noutra parte do mundo, os professores da Escolástica Aplicada trouxeram a Tecnologia de Estudo a Bangladesh, onde metade da população não sabe ler ou escrever. Os professores criaram um grupo de Estudo em Bangladesh e rapidamente implementaram a Tecnologia de Estudo em três escolas. Depois de terem orientado seminários para mais de 100 estudantes e membros do corpo docente na Universidade de Jahangirnagar em Daca, o presidente de Daca proclamou a Tecnologia de Estudo como a solução para o problema da iliteracia da nação e requereu formalmente a sua implementação em todas as escolas.

A Escolástica Aplicada treina professores e estudantes tanto em nações desenvolvidas como emergentes ajudando assim a revitalizar todo o campo da educação.

Iniciado em 1975, os Scientologists na África do Sul, sob o estandarte de Educação Viva, entregaram palestras, cursos e workshops sobre a Tecnologia de Estudo. Até à data, a Escolástica Aplicada treinou mais de 20.000 professores, que por sua vez levaram a Tecnologia de Estudo a 7 milhões de crianças da África do Sul.

A Tecnologia de Estudo também foi exportada para o Zimbabwe ‑ onde 18.000 professores foram treinados — e para o Gana, Gâmbia e Serra Leoa. Educação Viva tem agora gabinetes por toda a África do Sul, Nigéria, Quénia, Mali, Etiópia e Botswana.

Nas Filipinas, as taxas de abandono das escolas secundárias subiram 30% com 75% de iliteracia em escolas primárias. Como resposta, a Escolástica Aplicada Internacional em Spanish Lake deu um curso rápido na Tecnologia de Estudo a 5000 professores Filipinos, que depois introduziram a tecnologia em três escolas do país.

Os resultados foram surpreendentes. A primeira escola sai da última posição para o 8.° lugar nas Filipinas. A segunda escola estabelece um recorde nacional por subir as notas dos testes dos estudantes. Enquanto que a terceira avança desde o estatuto remedial para uma escola de topo.

No Quénia, uma «equipa de resgate» da Escolástica Aplicada, entregou o Aprender como Aprender a 14 professores numa escola para órfãos na cidade de Kisii. Quase de imediato, a pontuação dos testes dos estudantes tirou a escola das posições mais baixas para as mais elevadas num total de 270 escolas na região. Como resultado, os oficiais da educação do Quénia pediram o currículo da Tecnologia de Estudo.

A Escolástica Aplicada treina professores e estudantes em todos os níveis e trabalha com os líderes comunitários, governamentais e outras instituições para revitalizar a educação.